O que pode causar e como tratar a coceira na vagina

A coceira na vagina pode ser sintoma de alergia ou candidíase, por exemplo. Quando ela é causada por uma reação alérgica, a região afetada é, na maior parte das vezes, a mais externa. Neste caso, o uso de calcinhas que não sejam de algodão e de calças jeans, diariamente, podem causar irritação e aumentar a coceira.
Quando a coceira é interna, ela pode ser causada pela presença de algum fungo ou bactéria e o sintoma pode vir acompanhado de inchaço e de corrimento. Muitas vezes, a causa da coceira é a candidíase, uma doença causada pelo desequilíbrio dos fungos que, normalmente, habitam esta região.
Outros sintomas característicos da candidíase são:
  • Coceira na região interna e externa da região íntima da mulher;
  • Corrimento branco, tipo leite coalhado, com ou sem mau cheiro;
  • Dor/ardor ao urinar.
  • Como alguns destes sintomas são comuns a várias alterações, o melhor é sempre consultar o ginecologista caso a coceira não melhore após 1 semana de cuidados simples como manter a região íntima bem limpa e seca, evitar roupa de materiais sintéticos e fazer uma alimentação com menos alimentos açucarados.

    Tratamento para coceira na vagina

    Um bom tratamento caseiro para aliviar a coceira na vagina, no clitóris e nos grandes lábios é lavar a região íntima com chá de alecrim e sálvia, por exemplo, pois tem propriedades antimicrobianas que eliminam bactérias e evita o crescimento de fungos, que podem causar a coceira. Confira as receita deste e outros remédios caseiros para coceira na vagina.
    Porém, o tratamento para coceira na vagina depende sempre da sua causa:
    • Candidíase: o tratamento pode ser feito com o uso de antifúngicos orais e pomadas para candidíase, receitados pelo ginecologista, como Clotrimazol ou Miconazol. Veja aqui quais são e como usar as pomadas ginecológicas mais usadas para candidíase.
    • Alergia a substâncias químicas como o cloro, presente na água do jacuzzi, banheira ou piscina: lavar bem a região íntima com um sabão de pH neutro e secar bem, antes de colocar uma calcinha de algodão. Depois de sair da piscina, também é importante tirar o biquíni para que não seque no corpo e permita o crescimento de fungos ou o contato prolongado com cloro. 
    • Doenças sexualmente transmissíveis: é muito importante consultar o ginecologista e fazer exames para identificar a causa específica, iniciando o tratamento com os antibióticos ou antivirais mais adequados. Entenda como é feito o tratamento das principais DST's.
    • Hábitos de higiene: deve-se lavar a região externa diariamente com água e sabonete neutro, e sempre depois da relação sexual, não sendo indicado fazer a lavagem interna da vagina com a duche vaginal. A região deve estar sempre seca, sendo melhor usar calcinha de algodão, e evitar o uso de calças muito apertadas, calcinha com elástico apertado e durante a menstruação o absorvente deve ser trocado sempre a cada 4 ou 5 horas, mesmo que não esteja aparentemente muito sujo. 
    Em qualquer caso, se a coceira durar por mais de 4 dias ou surgirem outros sintomas, como corrimento com mau cheiro ou inchaço da região, é aconselhado ir ao ginecologista para identificar a causa e iniciar o tratamento adequado.

    Como não ter mais coceira na vagina

    Para evitar a coceira na vagina, clitóris e grandes lábios é indicado:
    • Usar roupa íntima de algodão, evitando materiais sintéticos que não deixam a pele respirar, facilitando o crescimento de fungos;
    • Ter uma boa higiene íntima, lavando somente a região externa, com sabonete neutro, mesmo após o contato íntimo;
    • Evitar o uso de calças muito justas, para impedir a elevação da temperatura local;
    • Utilizar preservativo em todas as relações, para evitar a contaminação com as DSTs.
    Estes cuidados ajudam também a aliviar a irritação local e a diminuir a coceira, quando já existe. É, ainda, recomendado evitar fazer uma alimentação com alimentos muito açucarados. Veja algumas dicas da dieta para tratar a coceira:

Procurar Notícias

©Site fundado em 15/01/2013 - Por: *Valter Egí - Todos os direitos reservados à Feira News*